terça-feira, 13 de junho de 2017

No nascimento e na morte só existe homem ou mulher

Você pode ser operado, tirar a rola e por uma orelha de porco. Você pode por uma tripa de bode na vagina.

Entretanto, biologicamente e anatomicamente, continuará sendo, pela fisiologia, do sexo masculino ou feminino.

O gênero é humano. E o sujeito gramatical: “a” e “o”. Não muda a composição dos cromossomos y (feminino) e x (masculino) da hélice do DNA (ácido desoxirribonucléico) da célula.

E na medicina criminalística legal, para identificar se um esqueleto, por exemplo, é de homem ou mulher se recorre a Ciência e a técnica.

A pélvis ou a bacia, aquele grande osso do corpo, é diferente no homem e na mulher. São as medidas desiguais que possibilitam a identificação.

Dizia o saudoso e competente perito criminal do Instituto Técnico-Científico (ITEP), major Paz Pinto, em linguagem compreensível para o curioso repórter: - No homem a bacia é mais estreita e na mulher mais larga (o que dá a condição para o parto natural).


Em condições normais de reprodução da espécie... Outras questões são meramente de comportamento, de viés ideológico, do cérebro de cada de cada um, pois cabeça de gente é terra que ninguém anda...

2 comentários:

  1. EXCELENTE TEXTO. CONCORDO EM GÊNERO, GRAU E NÚMERO.

    ResponderExcluir
  2. E apenas uma observação humilde do escriba..

    ResponderExcluir